Intercâmbio em Londres - Dicas Úteis

Estive em Londres em 2004, por 5 dias, e simplesmente voltei apaixonada. Eu e meu marido pensamos até em tirar um ano sabático para morar na cidade. Mas voltamos para o Brasil e não tivemos coragem de largar nossos empregos. Alguns anos se passaram e surgiu a oportunidade de tirar uma licença de 3 meses para estudar inglês, então o primeiro lugar que pensei foi: LONDRES!!!! Meu marido não pode ficar comigo durante os 3 meses, mas tirou 15 dia para ir me visitar. Então foram dois meses e meio sozinha na cidade. 
Fiquei em Londres de 01/06/2017 a 01/09/2017. Este foi um período muito especial para mim, por ser minha primeira viagem internacional sozinha e por ser o meu primeiro intercâmbio. Não pude ter esta experiência quando era mais jovem, por isso sempre pensei em passar um tempo em algum outro país, quando fosse possível. 
Se você está indo para Londres, para morar por um tempo ou apenas para passar alguns dias de férias, talvez este post possa ser útil para você. Para os que querem saber mais especificamente sobre intercâmbio, explico um pouco como foi meu planejamento em outro post.




dicas-de-londres_0388
Big Ben e a London Eye




Hampsted – Londres


Imagem relacionada

Informações Importantes

Uma das primeiras coisas que se deve ter em mente ao se planejar uma viagem a Londres é que a cidade é cara para nós brasileiros. E muito disso se deve ao valor do sound que é uma das moedas mais valorizadas do mundo. Enquanto pesquisava destinos para intercâmbio, o pound variou de £6,00 a £3,90.  Quando  estava lá ele girou em torno dos £4,40. Resumindo, você estará sujeito aos acontecimentos do mundo. No meu caso por exemplo, dei sorte pois com a oficializa;são do Brexit a moeda caiu bastante e dei azar, pois bem na véspera da minha ida, o nosso presidente Michel Temer foi pego em conversas comprometedoras, que fizeram o valor do real cair bastante e consequentemente o valor da libra aumentar. Então para não ficar tão sujeita às variações cambiais, gosto de ir comprando a moeda ao longo dos meses ou dias que antecedem a viagem, programar qual o seu orçamento para o período e quando chegar lá não ficar convertendo o tempo inteiro. Porque como diz o ditado: "Quem converte, não se diverte".
Vou me abster aqui de ficar dando informações técnicas da cidade, como o numero de habitantes, etc, caso queira esse tipo de informação consulte Aqui, que dá várias informações desse tipo. Mas algumas informações podem ser úteis como:
Moeda:
  •  Libra Esterlina ou Pound (cotação AQUI)

Imagem relacionadaImagem relacionada
Fuso Horário
  • 4 horas na frente do Brasil, de abril a outubro - quando a Inglaterra está em horário de verão e o Brasil não.
  • 2 horas na frente do Brasil, de novembro a março - quando a Inglaterra volta ao seu horário normal e o horário de verão está ativo na maior parte do Brasil (se você é de uma região do Brasil em que não há horário de verão, considere uma diferença de 3 horas). 

Eletricidade: 
  • Voltagem 220V
  • Modelo de Tomada: O modelo é estranho, mas não se preocupe, é muito fácil encontrar adaptadores. Praticamente toda loja de souvenir, departamento ou de quinquilharias chinesas vende adaptadores, que custam em torno de £5,00.

Preço das Atrações:
A maioria das atrações em Londres é paga, inclusive as igrejas. A boa notícia é que museus e parques podem ser visitados de graça.

Visto: 
Brasileiros a turismo ou estudos por até 6 meses não precisam de visto, mas se está indo para estudar inglês por um tempo maior do que este consulte mais informações Aqui . Caso seu tempo de estudo seja menor do que 6 meses, mesmo o visto não sendo necessário, é bom estar com toda a documentação da escola em mãos, pois os ingleses são bem rígidos durante a entrada de estrangeiros no país. Caso vá fazer viagens para outros países durante o seu tempo morando em Londres, lembre-se sempre de levar consigo uma cópia da carta de admissão da escola, pois ao reentrar novamente na Inglaterra, ela provavelmente será solicitada novamente.
Onde Ficar:
Londres é dividida em Zonas, sendo a zona 1 a mais central e a zona 6 a mais periférica. Isto quer dizer que sua hospedagem vai ser tão mais cara, quanto mais perto for da zona 1. É claro que para toda regra existem excessões, mas esta é a lógica.  Costumo reservar minhas hospedagens de duas maneiras: pelo Booking (normalmente) ou pelo Airbnb (para o caso de cidades com hospedagem muito cara com Tóquio, Rio de Janeiro, NY, etc ou para períodos mais longos, como foi o meu caso em Londres). Preferi não ficar em acomodações estudantis pois queria um lugar mais tranquilo e também não fiquei em casa de família reservada pela escola, porque a única informação prévia era em qual zona a casa se localizaria Como não queria ter nenhuma surpresa desagradável, preferi pagar um pouco mais e fazer a reserva pelo Airbnb, pois lá é possível ver as fotos do local e os comentários de antigos hóspedes. Também não vou ficar aqui indicando hotéis, pois casa um sabe da sua realidade e estes sites possuem uma variedade enorme de boas opções. Coloque o valor que pode pagar e leia os comentários dos usuário, afinal de contas, a voz do povo é a voz de Deus. 
Como meu curso de Inglês era em uma escola em Hampstead, preferi ficar hospedada em um local onde pudesse ir andando para a escola. Dessa forma, ao escolher minha hospedagem, levei em consideração o meu dia-a-dia na escola. Vou explicar em outro post, um pouco de como escolher uma acomodação pelo Booking e pelo Airbnb.
Transporte:
O transporte também é cobrado de acordo com as zonas em que você irá circular. A melhor opção, na maioria dos casos, é adquirir um cartão Oyster, que custa £5,00 e pode ser carregado de acordo com a sua necessidade. O site Londres para Principiantes tem um post ótimo explicando direitinho sobre as formas e tarifas de transporte em Londres (Clique Aqui).
Resultado de imagem para zonas de londresT
Segurança:
Londres está longe de ser uma cidade violenta, como nossas cidades no Brasil. Mas também não é nenhum mar de tranquilidade. Então apesar de ser uma cidade bem policiada, é preciso tomar alguns cuidados com a segurança. Uma das primeiras coisas que reparei em Londres, é que as casas, em sua maioria, ficam muito bem trancadas e possuem sistemas de alarme. Elas não chegam a ter muros altos e arame farpado de presídio como no Brasil, mas o inglês anda muito bem prevenido. Nos locais públicos e atrações turísticas há sempre avisos para que você tome bastante conta dos seus pertences. Por aí dá para perceber que a cidade não é tão tranquila e pacata. Quando estive lá, o maior problema eram os ataques terroristas. Em apenas 3 meses, foram três ataques no país, sem dois na Capital, sempre em locais com grande número de pessoas e turistas. Por isto, evitei ao máximo grandes aglomerações como shows por exemplo. Mas fora isso não há muito o que se fazer.  

Clima:
A primeira vez que estive em Londres foi na primavera, em meados de maio e peguei uma semana de tempo bom. Lembro de ter chovida apenas no final da tarde de um dos dias. Por isso, todo mundo falava que eu não tinha conhecido a verdadeira Londres. Desta vez fui no verão. Cheguei em um dia muuuito quente, que foi esfriando e ficando chuvoso à medida em que iam passando as semanas. E assim os dias foram se alternando, entre quentes e ensolarados e frios e chuvosos. O que tenho a dizer é que o clima aqui muda de repente. Há dias em que o dia amanhece feio e vai ficando lindo e ensolarado, porém o inverso também acontece com frequência. Então uma sombrinha e um casaco impermeável serão sempre bem vindos, mesmos nos dias mais quentes. Dê preferência àqueles super práticos e maleáveis que podem ser dobrados e colocados na bolsa ou mochila com alguma facilidade. Mas se esqueceu o guarda-chuva em casa, não se preocupe, pois toda lojinha de souvenir terá um para vender.

Celular e Internet:
A maioria dos museus, atrações, hotéis, bares e restaurantes fornecem Wi-Fi gratuito, mas é sempre bom ter um chip só seu para aquele momento em que você está na rua e precisa acessar o google mapas. Em Londres é muito fácil comprar um cartão SIM. Há várias lojas que vendem este serviço, inclusive a rede de supermercados Tesco. Ela inclusive tem um sistema de cartões próprio que é muito simples de ser utilizado. Você compra um cartão e paga entre £10 (500 MB dados / 500 mins /  5000 mensagens texto), £15 (2 GB / 1000 mins / 5000 mensagens) e £20 (4 GB / 2000 mins / 5000 mensagens), com ele você receberá um voucher que será usado para ativar o cartão e um cartão para recarga - que é o top-up. A ativação pode ser feita na própria loja da Tesco ou pelo site. O site não era muito amigável, mas depois de uns dois minutos tentando achar como ativar acionei o chat online e o atendente fez tudo para mim - mais simples impossível. Na minha opinião, a internet é o elemento mais importante aqui, já que o google mapas era a minha principal ferramenta de localização e deslocamento e o Whatsapp minha principal fonte de contato com o Brasil, tanto com mensagens quanto ligações.

Seguro Saúde:
Há várias empresas que oferecem este serviço, eu particularmente, só preciso encaminhar um pedido ao meu seguro saúde do Brasil e eles me encaminham uma declaração de que eu estou coberta durante a minha viagem. Dê uma olhada com o seu plano de saúde se ele também cobre atendimentos fora do Brasil. Algumas operadoras de cartão de crédito também oferecem uma cobertura mínima para aqueles clientes que compraram a passagem aérea com o cartão. Mas é sempre bom ler com cuidado o contrato para saber os valores de cobertura e não passar nenhum aperto. O meu plano cobre até repatriação dos meus restos mortais caso eu venha a falecer durante a minha viagem. Meu plano é o One Health da Amil, caso alguém tenha se interessado. Caso seu plano ou seu cartão não ofereçam este serviço, a maioria das agências de viagem pode te vender um seguro. Sempre que preciso, uso os serviços da Taranto Viagens.
Transfer:
A chegada do meu vôo para Londres era pelo aeroporto de Heathrow. Como estava sozinha, com uma mala relativamente grande e todo o meu dinheiro comigo achei que a melhor opção era contratar um transfere individual. Escolhi a empresa Simply Airports e gostei bastante do serviço. É bem simples de fazer o agendamento pelo site e você não precisa nem colocar os dados do seu cartão. Eu por exemplo optei por pagar ao motorista em dinheiro. O valor até Hampstead foi de £35,00, que é bem salgado, mas é mais ou menos o mesmo preço que custa um taxi da minha casa até o aeroporto de Confins. Então achei bem justo. A viagem demorou cerca de 1 hora, com transito bom. Confesso que se estivesse com meu marido e a viagem fosse com uma mala menor, não exitaria em pegar o trem expresso que sai do aeroporto. Neste site você pode ter maiores informações sobre todas as opções de transporte partindo dos aeroportos de Londres. 


Espero que estas informações ajudem um pouco quem está planejando uma viagem ou intercâmbio. Aos poucos vou postando mais informações sobre as atrações e passeios. 





SHARE:

Nenhum comentário

Postar um comentário

Blogger Template Created by pipdig